10/03/2017

Prefeitura entrega documento de posse à moradores do Oratório
Neste sábado, mais de 100 famílias serão beneficiadas; programa deve atender 800 famílias

Roberto Mourão/ PM

A família da sra. Crispina está há mais de 34 anos no Oratório; moradora comemora documentação

 Mais dignidade para as famílias de Mauá. A Prefeitura entrega neste sábado (11) a documentação que confirma o direito de posse para mais de 100 famílias moradoras do Jardim Oratório.

A família da sra. Crispina Alves dos Santos Silva, 67 anos, é uma das que serão beneficiadas. Moradora do Oratório há 34 anos, ela divide hoje a casa com o marido, dois filhos e um neto. “Morávamos em Santo André e ajudamos uma amiga a se assentar por aqui. Gostamos da área e compramos nosso pedacinho de terra e estamos aqui desde então”, diz ela. Durante os anos, Crispina viu muita coisa mudar diante da janela. Mãe de seis filhos, também ouviu muitas promessas de melhoria nas condições do bairro que não seguiram em frente. “O asfalto que temos foi pago do nosso bolso. As promessas de documentação eram frequentes, mas nunca confirmadas. É uma grande felicidade receber isso hoje”, afirma. 
Esse é apenas os primeiros passos do projeto que garante a moradia legal no Oratório. Até o final dessa gestão, o programa deve atender, pelo menos, mais 800 famílias que residem no local. São famílias como a de Solange e Cláudio Sérgio Silva Reis, pais de dois filhos que nasceram no Oratório e que aguardam a documentação para poder realizar o sonho de chamar a casa efetivamente de sua.
 
O projeto é uma parceria entre as secretarias de Habitação e Ação Social. As agentes sociais são as responsáveis pelo cadastramento e averiguação dos documentos dos moradores para dar início ao processo.
 
História - O Jardim Oratório surgiu da antiga Fazenda Oratória, que também deu origem a outros bairros de Mauá. Há registros de 1883, quando a família Cardoso Franco ocupava essas terras, que depois pertenceram ao IAPI (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriais). A região era chamada de Fazendinhas. Havia na área três casas históricas e uma cocheira, e a economia era composta por extração de lenha e olarias.
A ocupação dos morros do Oratório começou na década de 1970, com a intensificação das migrações. Os altos valores dos aluguéis em outras cidades da região fizeram com que a única opção de muitos fosse Mauá. Por ser próximo ao Centro, os preços dos terrenos regularizados no bairro eram cada vez mais elevados. Sendo assim, a ocupação irregular cresceu. Hoje, mais de 8 mil famílias dividem espaço no local.
 

Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Mauá
Secretaria de Comunicação Social
14/03/2017 11:20


Outras Notícias

24/04/2017

CPTR Móvel leva serviço de carteira de trabalho aos bairros

Miranda, Feital, Itaussu e Bandeirantes recebem van nos próximos dias; não é preciso agendar

20/04/2017

Programa de incentivo a leitura é sucesso em Mauá

50 livros são retirados diariamente; programa será expandido para outros terminais da cidade

20/04/2017

Mauá tem 34 vagas nesta semana

Maioria dos postos exige Ensino Fundamental e é para cargos em Mauá

19/04/2017

Mauá debate o Plano de Mobilidade Urbana

Projeto orienta as políticas públicas que devem ser implementadas no setor pelos próximos anos

17/04/2017

Mauá oferece 21 vagas nesta semana

Maioria dos postos exige ensino médio e é para cargos na cidade

17/04/2017

Mauá abre pré-matrícula para curso de Imagem Pessoal

quem se cadastrou no site do via rápida e recebeu telegrama poderá fazer aulas de cabeleireiro, manicure, pedicure e maquiagem

17/04/2017

Mauá começa vacinação contra Influenza

Prefeitura deve vacinar 104 mil pessoas neste ano

18/04/2017

Mauá realiza audiência pública para debater o Plano de Mobilidade Urbana

Evento será quarta-feira (19/4), no Centro de Formação de Professores

18/04/2017

CPTR Móvel atende Oratório e Magini nesta semana

Emissão de Carteira de Trabalho e intermediação de mão de obra são oferecidos pela equipe da van

11/04/2017

Mauá começa Campanha do Pescado

De terça a sexta-feira, feirantes oferecem peixes a preço popular em seis pontos